Portos brasileiros movimentam mais de 1,3 bi de toneladas em 2023

Segundo estudos realizados pela Antaq, a movimentação portuária alcançará 1,313 bilhão de toneladas em 2024, o que representa um crescimento de 2,3% em relação a 2023

Entre janeiro e dezembro de 2023, o setor aquaviário brasileiro movimentou 1,303 bilhão de toneladas. Os dados são do Desempenho Aquaviário 2023 da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Esta é a  maior movimentação registrada na série histórica e representa crescimento de 6,9% em relação a 2022.

Dentre os tipos de navegação, a interior chamou a atenção pelo crescimento expressivo, 10,5% , seguida pela de longo curso, com aumento de +8,3% e, por fim, pela cabotagem, que apresentou crescimento de 1,6%. 

Os perfis de cargas mantiveram a tendência apresentada durante todo o ano de 2023. As principais mercadorias movimentadas pelo setor aquaviário foram soja (+29%), milho (+18%), óleo bruto de petróleo (+9,4%) e minério de ferro (+7,6%). Outro destaque positivo foi para os fertilizantes (+6,9%). Por sua vez, a carga conteinerizada apresentou queda de -0,5% e a carga geral, de -2,9%, de acordo com o levantamento.

Os portos públicos que apresentaram melhor desempenho foram os de Santos, Paranaguá e Itaguaí, que cresceram 7,7%, 12,1% e 10,2%, respectivamente, o que representou crescimentos de 9,7 milhões, 6,3 milhões e 5,2 milhões de toneladas em comparação com 2022, na devida ordem.

Já os Terminais de Uso Privado (TUP) de maior destaque no ano foram o Terminal de Petróleo Tpet/Toil – Açu (RJ), que apresentou alta de 32,9%, o Terminal Porto Sudeste do Brasil (RJ), que cresceu 47,9%, e o Terminal de Tubarão (ES), com crescimento de 11,8%. Em toneladas, os crescimentos em comparação com o ano anterior foram de 14,3 milhões, 8,9 milhões e 8 milhões, respectivamente.

Arco Norte

A movimentação aquaviária de soja e milho do Arco Norte do país superou a do restante do país. De acordo com os dados do Estatístico Aquaviário da Antaq, a movimentação dos portos e terminais do arco norte foi de 100,8 milhões de toneladas em 2023, contra 88,5 milhões de toneladas no ano anterior. Já a movimentação do restante do Brasil, abaixo do paralelo 16°S, alcançou a marca de 100,2 milhões de toneladas movimentadas, contra 73,4 milhões em 2022. 

 O Arco Norte tem se tornado uma alternativa fundamental para o escoamento da produção de soja e milho do país, duas mercadorias que, nos últimos 13 anos, viram suas exportações triplicar e quintuplicar, respectivamente, tornando o Brasil o maior exportador dessas commodities. O Brasil responde, hoje, por 58% das exportações mundiais de soja e 27% das exportações de milho, de acordo com dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

Região amazônica-

O segundo semestre de 2023 registrou seca intensa na região hidrográfica amazônica. Entre agosto e novembro, a queda de movimentação de mercadorias e contêineres foi expressiva e a retomada se deu a partir de novembro, com a volta do esquema de chuvas. Apesar do impacto da seca, a navegação interior apresentou crescimento de mais de 10%, principalmente em razão do escoamento de soja no primeiro semestre do ano. 

Movimentação Futura

A Antaq divulgou a expectativa de movimentação portuária para os próximos anos. Os estudos indicam que a movimentação alcançará 1,313 bilhão de toneladas em 2024, um crescimento de 2,3% em relação a 2023. A agência espera que a tendência de alta na movimentação portuária continue pelos próximos quatro anos. Em 2027, estima-se que o setor portuário nacional movimente 1,415 bilhão de toneladas, em comparação com 1,391 bilhão de toneladas em 2026. As previsões para 2025 indicam uma movimentação de 1,333 bilhão de toneladas.

Veja também

Por