II Fórum Transporte Sustentável: conheça as iniciativas concretas que se espalham pelo Brasil

A primeira edição do evento apresentou exemplos de empresas que colocaram em prática os valores da sustentabilidade. No segundo encontro, as discussões mais relevantes permanecem e se aprofundam, como novos cases e ações

A segunda edição do Fórum Transporte Sustentável será realizada em 14 de outubro de forma totalmente digital e gratuita, como organização da OTM Editora. O evento irá apontar soluções sustentáveis para o ecossistema de transporte, apresentando práticas que estão disponíveis no mercado. O sucesso da primeira edição, que ocorreu em junho, mostrou a necessidade do setor de contar com um espaço de discussão e troca de experiências na área da sustentabilidade. Confira a programação do II Fórum Transporte Sustentável.

Na primeira edição, mais de mil pessoas se inscreveram para acompanhar as discussões e puderam conhecer diversos cases de empresas de transporte rodoviários de cargas, passageiros e de logística que efetivamente adotaram a sustentabilidade como um valor que norteia os seus negócios.

No primeiro encontro, Márcio Furlan, gerente de marketing, comunicação experiência do cliente e sustentabilidade da Scania no Brasil, afirmou que a empresa, desde 2016, assumiu o compromisso de liderar a mudança para um transporte mais sustentável, com base em três pilares: eficiência energética, combustíveis alternativos, eletrificação e transporte inteligente e seguro. “É preciso entender que será cada vez mais difícil para as empresas sem compromisso com a sustentabilidade fazer negócios no mundo atual.”

Gustavo Maroni, diretor de operações do Grupo Maroni, declarou que a empresa conta com a maior frota de caminhões a gás do Brasil, com 50 caminhões movidos a GNV/biometano. A empresa passa por uma transformação com foco na sustentabilidade. “Os pilares principais desse processo são a tecnologia e as pessoas”, disse Sérgio Pupo, diretor administrativo da companhia.

Carlos Ferreira, coordenador de sustentabilidade da Jomed Log, contou que a empresa adquiriu dois caminhões movidos a GNV/biometano em fim de 2019. “Com dez meses de operação, podemos dizer que os maiores gargalos estão na infraestrutura de abastecimento, pois faltam postos que fornecem tipo de abastecimento nas estradas. Por outro lado, nos custos com combustíveis, tivemos uma redução de 17,5%, na comparação entre diesel e GNV”, disse.

As discussões sobre matriz energética também estarão presentes na segunda edição do Fórum Transporte Sustentável, com a presença de representantes de empresas como Seara (JBS) e Comgás, e entidades como Associação dos Produtores de Biocombustíveis do Brasil (Aprobio), Associação Brasileira de Biogás (ABiogás) e Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE).

PESSOAS –

Uma boa gestão, baseada no profissionalismo e no respeito aos colaboradores, também contribui para que as empresas sejam mais sustentáveis. Suzana Soncin, CEO da I9exp, e que participará também do II Fórum Transporte Sustentável, observou que o segmento de transportes é formado por muitas empresas familiares. “Sabemos que 30% dessas empresas não sobrevivem ao processo de transição. É fundamental pensar na sucessão e na profissionalização dos negócios”, sublinhou.

Em um case de sucesso, Danilo Guedes, presidente da ABC Cargas, discorreu sobre sucessão empresarial e profissionalização da gestão. “Quando começamos a fazer a sucessão e a transformação, estruturamos um processo de mudança de mindset e cultural para colocar a empresa em outro patamar. Contratamos um diretor geral que não fosse da família e realizamos uma série de novos processos internos e externos para encaixar o nosso modelo de negócio de acordo com os objetivos e as demandas do mercado. Após três anos e com a empresa muito bem estruturada, eu assumi como presidente e CEO”, contou Guedes.

Na segunda edição do evento, a gestão de pessoas é parte importante dos debates e o tema principal será relativo a conceitos como diversidade e inclusão. Representantes de empresas como Patrus Transporte, GV Bus, BR7 Mobilidade e Coopercarga irão questionar como o setor estrutura suas políticas de diversidade e inclusão e as colocam em prática.

MOBILIDADE –

Ao falar sobre mobilidade sustentável na primeira edição do fórum, Claudio Sena Frederico, vice-presidente da ANTP, apresentou sua concepção de MaaS (Mobility as a Service), que precisa ser adaptado à realidade brasileira. Segundo o especialista, o MaaS pode incentivar o uso de transportes mais sustentáveis. “O transporte coletivo é sustentável. E o MaaS pode torná-lo mais competitivo e atraente para o usuário.”

Otávio Cunha, presidente da NTU, lembrou que o transporte público, no caso os ônibus, são responsáveis por apenas 6% da poluição atmosférica nos grandes centros urbanos. “Já motos e carros, veículos particulares, são responsáveis por cerca de 55%. O que falta para o transporte público ser mais bem utilizado são as políticas públicas que priorizem esse meio. Quando houver veículo público e um serviço de boa qualidade, você atrairá mais pessoas para que elas utilizem esse meio”, pontuou. Mobilidade sustentável em cidades inteligentes é outro tema que permanecerá em foco no II Fórum Transporte Sustentável.

MOTORISTAS-

Não há dúvidas que o motorista tem papel fundamental no transporte seguro, eficiente e sustentável. Pedro Trucão, apresentador do programa Pé na Estrada, abordou a importância dos motoristas na economia e no desenvolvimento do Brasil. Cláudio Adamuccio, diretor presidente do G10 e diretor administrativo da Transpanorama, mostrou como a empresa busca valorizar os condutores por meio de rankings, premiações, bonificações campanhas e treinamentos.

Rubens Pessoa Júnior, professor expert da Fabet, ressaltou que é preciso que as empresas tenham foco em seus treinamentos para obter resultados. “Precisamos mudar os hábitos que prejudicam a direção sustentável e segura. O uso do celular não pode ser tolerado e é hoje o principal problema do trânsito em geral”, disse.

Roberval Amorim, diretor de transportes DHL Supply Chain, acredita que é preciso cobrar das empresas fornecedoras de soluções em telemetria e monitoramento, tecnologias mais intuitivas e simples, que não tirem a atenção dos motoristas da condução. Na segunda edição, o motorista volta a receber atenção especial e os convidados irão discutir como tornar o programa SSMA (saúde, segurança e meio ambiente) um aliado deste profissional. Representantes da Raízen, Grupo Borelli, Videira Transportes, Volvo e BRF irão apresentar suas práticas de incentivo, treinamento e apoio aos condutores.

Mais informações: II Fórum Transporte Sustentável

Por