Scania e Comgás firmam parceria para ativar o mercado de gás natural

A iniciativa das empresas visa impulsionar o desenvolvimento da infraestrutura de distribuição de gás natural e ampliar as opções de abastecimento para veículos pesados

A Scania fechou parceria com a Comgás, distribuidora de gás natural do país, para acelerar o desenvolvimento do mercado de gás natural veicular (GNV) e biometano para veículos comerciais pesados. “Esta iniciativa é fundamental para impulsionar o desenvolvimento da infraestrutura de distribuição e ampliar as opções de abastecimento”, diz Christopher Podgorski, presidente e CEO da Scania Latin America. “Estamos empenhados em promover a transformação sustentável do setor de transportes e tornar os combustíveis alternativos ao diesel, o novo normal, considerando os benefícios sociais, ambientais, econômicos e financeiros que este caminho pode gerar”, completa o executivo.

Desde março de 2020, a Scania produz na sua fábrica de São Bernardo do Campo (SP), caminhões com motores a gás, resultado de um investimento na nova plataforma de produtos de cerca de R$ 4 bilhões. Os veículos podem ser abastecidos com GNV, biometano ou com a mistura de ambos os combustíveis.

Para Antonio Simões, presidente da Comgás, o foco é potencializar o mercado de gás no país. O executivo destaca que a empresa está investindo na ampliação da rede de dutos em polos estratégicos onde há demanda iminente por gás natural. 

O primeiro passo a ser dado pelas empresas será o mapeamento de corredores e rotas logísticas, para aumentar o número de pontos de abastecimento de gás natural e biometano no Estado de São Paulo. O plano ainda contempla a avaliação para instalação de postos de abastecimento em garagens de frotistas ou operadores de ônibus, visando dar ainda mais competitividade para os veículos pesados movidos a gás. “Um operador de ônibus que tenha em sua garagem posto de abastecimento a gás ganha em produtividade pois pode encher os tanques em horário sem circulação”, afirma Podgorski.

Segundo a Scania, apesar do gás natural ser um combustível de origem fóssil, seu ganho ambiental também é expressivo em relação ao diesel. A frota pesada movida a GNV emite até 90% menos poluentes de ação local, em comparação com um produto similar a diesel. “Dentro das cidades, onde o gás natural pode ser aplicado no transporte público, com a tecnologia de nossos ônibus movidos a gás podemos reduzir a quase zero a emissão de material particulado, um poluente de ação local cancerígeno e responsável pelo aumento de mortes provocadas por doenças respiratórias. Com isso, temos ganhos para as pessoas, para o planeta e para os negócios”, explica Podgorski.

Outra vantagem é que o custo total de operação dos veículos movidos a gás pode ser menor do que o do diesel em todo o seu ciclo de vida, dependendo da região e modelo de abastecimento, o que viabiliza o retorno sobre o investimento realizado na aquisição dos veículos com motor dedicado ao gás. “O gás natural é uma solução energética utilizada por diversos países desenvolvidos e em desenvolvimento, pois apresenta baixos índices de poluição e oferta abundante no mercado mundial. O trabalho conjunto com a Scania é importantíssimo para desenvolver e estimular ainda mais a utilização desse combustível nas frotas de veículos comerciais pesados”, afirma Simões.

A Comgás também tem como meta futura inserir o biometano em sua rede de dutos, possibilitando a todos os seus consumidores desfrutarem de uma fonte energética com quase zero emissão de CO2, nos moldes do que ocorre há vários anos em vários países da Europa. “Aqui, a chave é gerar eficiência. O futuro do transporte é composto por uma matriz energética diversa. Este é um movimento orquestrado entre vários stakeholders, e uma mudança que acontece em cadeia”, diz Simões.

Por