Mercado de caminhões de janeiro a agosto é o melhor desde 2014

Dos 83.663 caminhões vendidos no acumulado de janeiro a agosto 43.131 são pesados, 20.489 semipesados, 7.881 leves, 7.097 médios e 5.065 semileves

Sonia Moraes

As montadoras venderam em agosto 12.951 caminhões, 8,1% a mais que em julho (11.977 unidades), segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). “É um número bastante significativo, com o melhor resultado desde dezembro de 2014 e o melhor agosto desde 2013”, disse Gustavo Bonini, vice-presidente da Anfavea, responsável por veículos comerciais.

O agronegócio se mantém como destaque do setor, segundo Bonini, com volumes significativos principalmente na área de grãos, além da carga geral e mineração, o que faz manter relevante a representatividade dos caminhões pesados e semipesados nos resultados.

No acumulado do ano foram vendidos 83.663 caminhões, 50,8% a mais que no período de janeiro a agosto de 2020, que teve 55.476 veículos comercializados no mercado brasileiro. “É o melhor resultado acumulado desde 2014, quando foram comercializados 87.800 veículos no país”, destacou Bonini.

Do total de caminhões vendidos até agosto 43.131 são modelos pesados, 53,5% a mais que nos primeiros oito meses de 2020, cujo volume atingiu 28.104 veículos. De semipesados foram 20.489 unidades, 49,3% superior aos 13.721 veículos vendidos de janeiro a agosto de 2020.

Os modelos leves somaram 7.881 unidades, aumento de 45,2% sobre os oito meses de 2020 (5.426). Os médios chegaram a 7.097 veículos vendidos, alta de 35,2% sobre os 5.251 caminhões comercializados nos oito meses de 2020, e os semileves somaram 5.065 unidades até agosto, 70,3% a mais que no mesmo período de 2020, quando foram vendidos 2.974 veículos.

Produção –

Na produção de caminhões o resultado foi positivo com aumento de 1,1% em agosto sobre julho, totalizando 14.963 veículos. “É o melhor resultado desde fevereiro de 2014 e o melhor agosto desde 2013”, destacou Bonini.

No acumulado de janeiro a agosto de 2021 foram produzidos 104.486 caminhões, 114,8% a mais que os 48.645 veículos fabricados nos oito meses de 2020, ano em que a pandemia da Covid-19 chegou ao país.

Do total fabricado até agosto, 51.404 são caminhões pesados, 29.788  semipesados, 17.042 leves, 4.987 médios e 1.265 semileves.

Exportações –

As exportações de caminhões aumentaram 9,8% em agosto, totalizando 2.068 veículos. No acumulado de janeiro a agosto foram exportados 14.683 caminhões, 105,9% a mais que nos primeiros oito meses de 2020, quando foram enviados 7.132 veículos ao exterior. E o destaque foram os modelos pesados, com 7.090 unidades, seguidos dos semipesados, com 4.212 veículos.

Em CKD (veículos desmontados) as montadoras exportaram 3.363 caminhões de janeiro a agosto de 2021, aumento de 22,83% sobre os oito de 2020, quando foram exportados 2.738 veículos desmontados.

Ranking – 

No ranking do setor a Volkswagen Caminhões e Ônibus manteve a liderança, com 23.891 caminhões vendidos de janeiro a agosto, 48,4% a mais que no mesmo período do ano passado (16.101), e o segundo lugar ficou com a Mercedes-Benz, que teve 22.096 veículos comercializados no país, 35% acima dos oito meses de 2020 (16.397 unidades).

A Volvo ficou em terceiro lugar com 13.626 veículos vendidos até agosto, 44,6% superiores ao mesmo período de 2020 (9.424 caminhões), e a Scania em quarto com 10.397 veículos, 108,7% a mais que em janeiro e agosto de 2020 (4.982 caminhões).

A Iveco, quinta colocada, vendeu 5.192 veículos, 77,8% superiores aos oito meses de 2020 (2.920 unidades) e a DAF, que está em sexto lugar, comercializou 3.592 caminhões, 39,5% a mais que no mesmo período de 2020 (2.575 unidades).

Por