Produção de caminhões avança 19,4% em janeiro

Do total de 8.560 caminhões fabricados no país em janeiro, 3.749 são modelos pesados, 2.926 do segmento de semipesados e 1.536, de modelos leves; para o mercado externo foram embarcados 1.370 caminhões, a maioria de modelos pesados

As montadoras começaram 2021 com a produção de 8.560 caminhões, 19,4% a mais que em janeiro de 2020 (7.169 veículos) e 18,4% abaixo de dezembro do ano passado quando foram fabricados 10.485 veículos, segundo a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Do total de caminhões fabricados no mês passado, 3.749 são modelos pesados, 2.926 de semipesados, 1.536 do segmento de leves e 341 de veículos médios.

Apesar das dificuldades enfrentadas por toda a indústria automobilística para manter o ritmo de produção, com o descompasso que a pandemia da Covid-19 causou em toda a cadeia logística, Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, considerou bom o número de veículos produzidos pelas montadoras em janeiro. “A equipe de logística tem feito um trabalho excepcional, falando com as fabricantes de autopeças e monitorando os navios para manter o ritmo das fábricas, e mesmo com as férias coletivas janeiro foi um bom mês de produção”, disse Moraes durante a coletiva de imprensa online. 

Gustavo Bonini, vice-presidente da Anfavea, responsável por veículos pesados, avaliou como positivo o resultado da produção de caminhões em janeiro. “É um número muito bom para este momento de desafios logísticos, com a falta de insumos e peças, e quando as fábricas estão retomando a produção depois das férias coletivas e elaborando as estratégias para repor os estoques”, disse Bonini.

No mercado interno as montadoras venderam 7.538 caminhões em janeiro, 3,5% acima de janeiro de 2020 (7.285 unidades) e 23,4% inferior aos 9.838 veículos vendidos em dezembro do ano passado. Foram 3.474 unidades de modelos pesados, 2.022 de semipesados, 691 de médios, 718 de leves e 633 de semileves.

Para o mercado externo as montadoras enviaram 1.370 caminhões em janeiro, 53,4% acima de janeiro de 2020 (893 veículos) e 16,6% abaixo de dezembro do ano passado (1.643 veículos). O segmento de pesados liderou os embarques de janeiro somando 637 caminhões, seguido pelos semipesados (417), os leves (223), os médios (67) e os semileves (26).

Em CKD (veículos desmontados) as montadoras exportaram 145 caminhões em janeiro deste ano. No mesmo mês de 2020 foram exportados 204 caminhões desmontados, segundo a Anfavea.

Bonini afirmou que o agronegócio continua pujante para o mercado de caminhões, mas que outros setores como o de mineração e varejo também estão demandando muitos caminhões. “Nos últimos meses outros segmentos vêm crescendo com o avanço da economia e isso está fazendo aumentar a procura por caminhões semipesados, médios e leves.”

Devido ao descompasso causado pela pandemia, a área logística enfrenta um momento de muita tensão com a falta de aço, pneus e outros insumos e componentes, segundo Bonini. “A equipe de logística está fazendo mágica para tentar conter os desvios e evitar problemas de abastecimento nas fábricas. É difícil saber quando haverá estabilidade”, comentou o vice-presidente da Anfavea.

Por