Carsten Serviços adquire o primeiro caminhão a gás da Scania

O veículo, modelo R 410 6×2, em configuração sider com três eixos espaçados, será usado no transporte de bebidas da Ambev no interior de São Paulo

A Scania entregou mais um caminhão a gás ao mercado brasileiro. Desta vez, o modelo R 410 6×2 movido a gás natural veicular (GNV) e biometano foi para a Carsten Serviços. O veículo, em configuração sider com três eixos espaçados, será usado no transporte de bebidas da Ambev. Sairão da fábrica da cervejaria em Agudos, interior de São Paulo, para grandes clientes da marca nas regiões de Ribeirão Preto e Campinas, também no interior paulista.

Este é o primeiro caminhão movido a gás natural (GNV) adquirido por um transportador para operação da Ambev. “O setor de transporte, que responde por grande parte da cadeia de valor das empresas que estão na dianteira da chamada recuperação verde, vem passando por uma profunda transformação para se tornar mais sustentável. A Scania está apoiando estas organizações a cumprir os compromissos com a redução de emissões de gases poluentes. É motivo de orgulho ter nesta lista empresas como a Ambev e a Carsten, que mostram o quanto querem um planeta melhor. Nós estamos liderando esta transição e apoiamos os clientes com soluções rentáveis que contribuem com a sustentabilidade nos âmbitos econômico, ambiental e social”, afirma Silvio Munhoz, diretor de vendas de soluções da Scania no Brasil.

O pioneirismo da Carsten em adquirir o novo veículo da Scania comprova o compromisso da empresa com a sustentabilidade, além de reforçar o empenho da marca em inovar como parceiro logístico para levar soluções sustentáveis e rentáveis a seus clientes.

“Esse caminhão vai ser um marco no transporte de cargas, principalmente no interior de São Paulo. É uma novidade em um segmento ainda muito tradicional. A Carsten vem com um pensamento bem diferente com relação ao uso da tecnologia e da conectividade visando a sustentabilidade da operação. Temos a missão de transformar e revolucionar o transporte de cargas no Brasil e para isso buscamos parcerias estratégicas com os mesmos valores que os nossos. A Scania é uma dessas parceiras e a Ambev também”, afirma Rennan Carsten, CEO da Carsten Serviços.

O caminhão R 410 6×2 fará um trajeto aproximado de 500 quilômetros, ida e volta, saindo da fábrica da cervejaria em Agudos, interior de São Paulo, para grandes clientes da Ambev no interior paulista. “Geralmente, os veículos abastecidos com combustíveis alternativos são utilizados em modalidade intercompany, dentro da própria empresa. Com a Ambev estamos sendo um pouco mais audaciosos porque vamos atender os principais clientes da cervejaria na modalidade de autosserviço, conseguiremos levar essa inovação até o cliente. Dessa forma, abasteceremos grandes redes de supermercados e atacadistas com produtos Ambev de forma mais sustentável”, diz Carsten.

“O compromisso com a sustentabilidade dos nossos produtos e operações não é de hoje, vem desde a nossa criação, há 20 anos. Estamos fomentando a mudança de matriz energética logística, e adicionar equipamentos com menor emissão/km, como é o caso do gás, contribui para acelerar essa redução e chegarmos mais próximo do nosso objetivo de redução de 25% da emissão de CO2”, comenta Bernardo Adão, diretor de suprimentos e sustentabilidade da Ambev

O abastecimento dos caminhões será feito pela GasBrasiliano, que distribui e comercializa o gás natural nos postos distribuídos nas rotas entre Agudos e as cidades de atuação do caminhão. Além da rede de postos, a distribuidora tem estrutura para disponibilizar o gás natural diretamente na transportadora, assim como fez em agosto de 2020 para a usina Santa Cruz, unidade da São Martinho localizada em Américo Brasiliense (SP). Há também a opção de redes de abastecimento locais via gás natural comprimido (GNC).

Com a venda da Carsten, a Scania ultrapassa 70 unidades de caminhões movidos a combustíveis alternativos comercializados no Brasil. “Mais um marco histórico para o mercado brasileiro, que necessita mudar sua matriz energética para combustíveis mais sustentáveis”, afirma Munhoz.

Por