Angela Gheller, diretora da manufatura e logística da Totvs: “Nos últimos cinco anos, investimos R$ 1,7 bilhão em pesquisa e tecnologia”

“Com o aumento das transações virtuais, as organizações perceberam a necessidade de buscar soluções voltadas a automatizar a gestão dos negócios e de processos”, destaca a executiva

Transporte Moderno – Em que medida a atual situação afeta o setor de tecnologia?

Angela Gheller – Sem dúvida, a situação atual e a crise gerada pela pandemia está impactando o setor. Mas vemos que houve uma aceleração dos investimentos em projetos voltados a apoiar as empresas na transformação digital. Com o aumento das transações virtuais, as organizações perceberam a necessidade de buscar soluções voltadas a automatizar a gestão dos negócios e de processos, garantindo assim tanto a sobrevivência no atual momento, quanto para buscar vantagens competitivas para saírem fortalecidas da crise. Para o setor de TI, é uma oportunidade, para o setor de transporte é um desafio, mas os ganhos serão diversos. 

Transporte Moderno – Que estratégias a Totvs adotou para enfrentar essa situação de mercado?

Angela Gheller – A Totvs, assim como praticamente todas as empresas, teve de se adaptar a esse novo cenário imposto pela pandemia. Desde o princípio, lá em março, priorizamos a saúde de nossos colaboradores e parceiros, mas sem gerar impacto para a qualidade do atendimento e dos serviços aos nossos clientes, considerando que as soluções da Totvs são essenciais para as empresas.  

Uma importante lição que aprendemos e que pode ser aplicada ao país é que a capacidade de reação e adaptação se torna um fator crítico para o sucesso em momentos de crise. Ou seja, quanto mais rápido entendemos os riscos e atuamos neles, maiores as chances de sucesso. Do ponto de vista dos negócios, o fato de termos nos adaptando rápido fez com que a pandemia gerasse menos impactos negativos do que o esperado. O fim de março e o mês de abril foi o período mais difícil para a Totvs, mas, em maio, a empresa já observou uma recuperação nas vendas. Em junho, já ficamos próximos da normalidade. E seguimos em um ritmo positivo.  

Transporte Moderno – Qual a expectativa para 2020 em comparação com 2019?

Angela Gheller – Os dois primeiros trimestres desse ano foram positivos e apresentamos crescimento, mesmo com o cenário desafiador que estamos vivendo. E isso é fruto da resiliência e consolidação do nossos modelo de negócios e do alicerce que estamos construindo nos últimos anos. Com isso, a expectativa para 2020 é positiva.

Transporte Moderno – E para 2021, quais as expectativas da empresa?

Angela Gheller – A Totvs não divulga expectativas de faturamento para o ano. Mas, o que podemos dizer, é que vamos seguir com a estratégia de crescimento da companhia, que está baseada em alguns pilares: defesa e reforço do nosso core business, com objetivo de expandir horizontalmente o core para aprimorar a capacidade tecnológica do produto; aumentar a penetração nos segmentos, expandindo nossa expertise em cada uma das verticais que atuamos; adicionar novos produtos ao portfólio, além da entrada em novos mercados, como a recém-criada divisão de Techfin, por meio da qual a Totvs passa a fornecer soluções tecnológicas voltadas a simplificar, ampliar e baratear o acesso dos clientes a serviços financeiros e ao crédito. 

Transporte Moderno – Quais foram os principais investimentos em 2020?

Angela Gheller – A Totvs faz um investimento constante em pesquisa e desenvolvimento. Nos últimos cinco anos, foram provisionados R$ 1,7 bilhão. Além disso, para 2020, a ideia é dar continuidade ao plano de aquisições com R$ 1,06 bilhão captado em maio durante follow-on (oferta subsequente de ações), bem como ampliar a oferta para conquistar serviços dentro da atual base de clientes. Continuamos vendo grandes oportunidades em nossa jornada de M&A.

No segmento, continuamos investindo em inovações para facilitar aos clientes a adoção da transformação digital como meio de impulsionar seus negócios. Outro ponto que vale destacar é a Suíte Logística, nova geração de ferramentas, nativamente SAAS, que começaram a ser desenvolvidas em 2018. Entregamos soluções como o Totvs Logística YMS e Totvs Agendamento, que visam o gerenciamento de pátios e portarias, permitindo um controle completo de movimentação inbound e outbound nas empresas, organizando o fluxo de acordo com as características específicas do seu negócio. Além do Totvs Checklist que permite realizar todo tipo de inspeção e conferência, sendo adaptada para qualquer operação.

Transporte Moderno – Quais são os investimentos previstos para 2021? 

Angela Gheller – A Totvs está focada em fortalecer ainda mais o portfólio de software, do backoffice, passando pelas soluções core, IA, Analytics, Business Performance e Techfin, tudo isso pensando em simplificar os negócios dos nossos clientes. Sabemos que, num momento como esse,  as empresas precisam fazer mais e melhor, buscando caminhos inovadores. E a tecnologia é parte fundamental desse processo de transformação e criação de novos caminhos. Estamos garantindo, mesmo ainda com os times alocados remotamente, que as operações não tenham perda de qualidade e trabalhando para entregar novas soluções. Continuaremos a incentivar a adoção de soluções de transformação digital para impulsionar a inovação e gerar crescimento do mercado brasileiro, independente do porte e segmento de atuação. Ainda dentro da Suíte Logística temos outras 4 soluções em fase de construção, que devem começar a serem lançadas em janeiro e seguem durante todo o ano, tendo como premissa usabilidade, interfaces amigáveis, intuitivas e facilmente integráveis (API), devido a arquitetura nativamente SAAS e uso de microsserviços. 

Transporte Moderno – Quais são as principais dificuldades do setor?

Angela Gheller – O ano de 2020 foi desafiador para diversos setores da economia. Podemos dividir as empresas e os segmento em três diferentes perfis: as que foram duramente afetadas pela crise e precisaram usar a tecnologia para sobreviver (por exemplo, o setor de turismo, hotelaria e eventos); outras que se beneficiaram diretamente dessa digitalização imposta pelo distanciamento social, como o segmento de varejo online e delivery; e por fim, aquelas que tiveram de fazer adaptações no modelo de negócios para atender novas demandas geradas pela crise, que foi o caso dos segmentos de logística e serviços em geral. O segmento de logística, por exemplo, precisou se reinventar, para manter o abastecimento de lojas, supermercados, agronegócio e toda a cadeia da distribuição. A pandemia exigiu reforço e adaptabilidade dos processos logísticos, em função do aumento das vendas online e da necessidade de suprir a demanda dos setores essenciais, levando em consideração as medidas sanitárias para conter a proliferação do novo coronavírus. Esses e outros desafios apenas reforçaram a importância da tecnologia para o setor. 

Por