Crise já levou à perda de mais de 61 mil vagas no transporte

Em junho, o ministério da economia mostra que o setor de transportes registrou o quarto mês de queda no nível de empregos, mas alguns segmentos começam a reagir

O setor de transporte registrou o quarto mês seguido de queda no número de vagas de emprego, desde o início da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, de acordo com o Boletim Economia em Foco divulgado pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), com base no Novo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do ministério da economia.

Em junho, foram demitidos 40.438 empregados no setor de transporte admitidos 34.139, o que gera uma perda líquida de 6.299 vagas. O saldo é menor se comparado ao mês de maio, quando foram encerradas 20.852 vagas, mas demonstra que a crise tem sustentado resultados negativos por períodos prolongados. Desde o início da crise (entre março e junho), o setor de transporte já acumula perda de 61.429 vagas de emprego.

A perda líquida de empregos formais continuou sendo puxada pelo transporte rodoviário de passageiros, que fechou, em junho, 8.780 vagas. O transporte rodoviário de cargas registrou saldo positivo (2.819 vagas criadas no mês). Com isso, o segmento contribuiu para atenuar a perda de empregos formais registrada pelo setor de transporte como um todo no mês de junho. No transporte aéreo de passageiros, basicamente não houve variação, uma vez que o saldo em junho (-196) ficou bastante próximo do saldo de maio (-201).

“Apesar de os números de junho terem registado uma desaceleração das demissões, o cenário no setor de transporte ainda é bastante preocupante. Já são quatro meses de crise. E a reoneração da folha de pagamento prevista para 2021 vai dificultar ainda mais a contratação de mão de obra pelas empresas de transporte. Além disso, as ações do governo federal têm se mostrado insuficientes para socorrer o setor, tão essencial para movimentar o país”, afirma o presidente da CNT, Vander Costa.

Na economia brasileira como um todo, desde março, quando a crise da pandemia teve início, já foram contabilizadas 1,54 milhão de vagas fechadas. Em junho, apesar da sinalização de recuperação de alguns setores, o saldo negativo registrado foi de 10.984 vagas.

Por