Canal do Panamá bate recordes em volume de cargas

Em constante modernização, o canal tem conseguido melhorar a sua produtividade e atrair embarcações de todas as partes do mundo Navios de todas as nacionalidades transitam diariamente pelo Canal do Panamá, que atende a mais de 144 rotas marítimas conectando 160 países e 1,7 mil portos em todo o mundo. De 13 a 14 mil […]

Em constante modernização, o canal tem conseguido melhorar a sua produtividade e atrair embarcações de todas as partes do mundo

Navios de todas as nacionalidades transitam diariamente pelo Canal do Panamá, que atende a mais de 144 rotas marítimas conectando 160 países e 1,7 mil portos em todo o mundo. De 13 a 14 mil embarcações usam o canal todos os anos. O complexo conta com aproximadamente dez mil funcionários e opera 24 horas por dia, 365 dias por ano, prestando serviço de trânsito a navios de todas as nações. Inaugurado em 1914, passou por um intenso programa de ampliação e modernização, de 2009 a 2016. As eclusas de Cocoli e Água Clara adicionaram uma terceira via à estrutura para o trânsito de navios Neopanamax.

Desde a sua inauguração em 26 de junho de 2016, o canal expandido não apenas superou as expectativas de tráfego, mas também reafirmou sua importância ambiental no setor marítimo, priorizando a economia de água e contribuindo para a redução de CO², passando a oferecer uma rota mais curta com maior capacidade de carga. Os contêineres representam mais da metade do tráfego através do canal, seguido pelos transportadores de gás liquefeito de petróleo (GLP) e transportadores de gás natural liquefeito (GNL). Outros segmentos, como graneleiros, navios-tanque, transportadoras de automóveis e embarcações de passageiros também se destacam.

Os navios de GNL começaram a usar a hidrovia após a expansão. Desde então, esse segmento registrou um crescimento constante. Mais de 90% da frota mundial de GNL agora podem transitar pelo Canal do Panamá, que abriu as portas para um novo mercado e permite que os produtores de GNL nos Estados Unidos enviem gás natural para a Ásia a preços competitivos.

O tráfego de embarcações de GLP também cresceu exponencialmente e se tornou o segundo maior segmento de tráfego através dos bloqueios Neopanamax.

O Canal do Panamá encerrou o ano fiscal de 2019, em setembro, com um recorde de 469 milhões de toneladas movimentadas, o que representa um aumento de 6,2% em comparação ao exercício anterior. Com esse número, a hidrovia excede a projeção de 450,7 milhões de toneladas, bem como a tonelagem recorde de 442 milhões de toneladas registradas no ano fiscal anterior.

“Esses resultados recordes refletem o compromisso da força de trabalho do canal com eficiência e investimentos contínuos em infraestrutura, o que permitirá que a hidrovia atenda à crescente demanda e ofereça um serviço confiável e seguro aos clientes”, informa a Autoridade do Canal do Panamá (ACP), uma entidade legal autônoma da República do Panamá encarregada da operação e administração do complexo.

Em 2019, os trânsitos para os segmentos de gás natural liquefeito (GNL) e gás de petróleo liquefeito (GPL) aumentaram 37,6 e 6,9%, respectivamente, representando o maior ganho em todos os segmentos. Segmentos adicionais com aumentos significativos de trânsito incluíram navios petroleiros com um aumento de 5,6% e transporte de veículos (RoRo) com um aumento de 5,5%, em comparação com o ano fiscal anterior.

Em termos de tonelagem, o segmento de contêineres continuou a dominar com 164,87 milhões de toneladas movimentadas, dos quais 126,2 milhões transitaram pelos bloqueios da Neopanamax. Os principais segmentos também incluem graneleiros com 76,5 milhões de toneladas; transporte de veículos (RoRo) com 53,1 milhões de toneladas; navios-tanque químicos com 44,3 milhões de toneladas; embarcações de GNL com 43 milhões de toneladas; navios de GLP com37,8 milhões de toneladas; petroleiros com 22,6 milhões de toneladas e embarcações de passageiros com 9,9 milhões de toneladas.

As principais rotas que utilizaram o Canal do Panamá por tonelagem de carga em 2019 incluem o percurso entre a costa leste dos Estados Unidos e a Ásia, seguidas pela costa leste dos Estados Unidas e a costa oeste da América do Sul, e Europa e costa oeste da América do Sul. A rota entre a costa oeste da América Central e a rota costeira leste dos Estados Unidos é outro destaque. Os principais usuários da hidrovia durante o ano foram Estados Unidos, China, Japão, Chile e México.

O canal espera 29 navios de cruzeiro Neopanamax na temporada 2019-2020, incluindo pelo menos um da Norwegian Bliss, que continua sendo o maior navio de cruzeiro a passar pela hidrovia. O seu navio irmão, o Norwegian Joy, com 3,9 mil passageiros já marcou presença nesta temporada.

Somente o Canal do Panamá atrai mais de 900 mil turistas por ano. Suas principais atrações incluem os Centros de Visitantes Miraflores e Água Clara e o Pavilhão Cocoli, que possuem salas de exposições, decks de observação de navios e visitas guiadas.

O governo do Panamá aprovou oficialmente a modificação da estrutura de pedágio do Canal do Panamá, seguindo uma recomendação do conselho da ACP. As mudanças incluem pedágios cobrados aos navios Neopanamax Dry Granel que transportam minério de ferro; navios Neopanamax Dry Granel que transitam com lastro; o segmento transportadores de veículos (RoRo) e para granéis líquidos, incluindo navios petroleiros, petroleiros, GLP e GNL. Os ajustes não atingem as embarcações de passageiros, que continuarão na atual estrutura tarifária.

TECNOLOGIA

Em setembro, o Canal do Panamá atualizou a solução VUMPA (Ventanilla Única Marítima de Panamá ou Janela Única Marítima do Panamá). Criada em 2017, a ferramenta é uma plataforma online que automatiza o intercâmbio de informações entre as agências panamenhas envolvidas no processamento da chegada e da partida de navios, tornando mais ágil o transporte internacional nos portos daquele país.

As principais atualizações do VUMPA buscam melhorar a precisão das declarações de carga para as linhas de transporte associadas, bem como avaliações de risco realizadas pelas autoridades do Panamá.

Além disso, a taxa única do governo para navios que chegam e partem agora pode ser cobrada eletronicamente por cartão de débito ou crédito.

Outras melhorias incluem a implementação de uma política de privacidade, a exibição de documentos enviados por meio do sistema de inspeção de navios, a criação de alertas eletrônicos com base no tipo de carga, a inclusão de gerenciamento de resíduos e requisitos específicos para principais autoridades panamenhas, que podem ser acessadas pelo inspetor do país.

Antes da adoção do VUMPA, os navios eram obrigados a preencher vários tipos de documentação, como formulários de registro e documentos alfandegários para várias entidades, incluindo o Canal do Panamá, a Autoridade Nacional de Alfândega e o serviço nacional imigração. Estima-se que, graças à plataforma, mais de 300 mil formulários e documentos em papel foram eliminados, melhorando a eficiência e a pegada de carbono dos procedimentos de transbordo e economizando até 3,3 mil horas por ano.

As atualizações devem reduzir ainda mais custos, melhorar os itinerários e dar mais transparência e a produtividade ao canal, além de proporcionar economia de tempo substancial para os clientes marítimos.

Por